Bem-vindo(a)!

ÚLTIMOS POSTS

Destaque

Mural de Retornos Positivos (Feedbacks)

16 problemas de autoestima que afetam muito mais gente do que você pensa



Conteúdo do site BuzzFeed

1. “Sinto que não aproveitei muitas coisas por vergonha e medo”.

"Sinto que não aproveitei muitas coisas por vergonha e medo".
Dalinas / Getty Images
“Minha fase de adolescente foi trevosa! Autoestima baixíssima porque sempre fui gorda e na adolescência o tal “padrão” sufoca demais. Mesmo hoje que as coisas melhoraram sinto como isso ainda pesa na hora de conhecer alguém ou receber um elogio. Fotos são um drama à parte, ainda mais hoje em dia que tudo é muito baseado na exposição. Hoje minha autoestima é uma montanha russa, mas nem se compara com a da adolescência, que era nula”.

2. “Era normal não passar perto de espelhos e odiar minha imagem”.

"Era normal não passar perto de espelhos e odiar minha imagem".
Dalinas / Getty Images
“Hoje dói muito olhar pra trás e ver que ninguém fez nada por mim, quando poucas palavras teriam sido de grande ajuda. Ler na internet sobre pessoas que passavam pela mesma situação me ajudou muito, foi um processo lento mas foi maravilhoso e eu colho os frutos até hoje”.

3. “A minha adolescência foi um horror”.

"A minha adolescência foi um horror".
Vmelinda / Getty Images
“Quando eu tinha 14 anos comecei a ter problemas de autoestima porque todas as minhas amigas começaram a se desenvolver e eu não. Ainda por cima uma menina em especial praticava bullying comigo, falando que eu nunca ia chamar a atenção de ninguém e um dia chegou a dizer que eu deveria me matar. Eu não conseguia revidar. O menino de quem eu gostava também não colaborava, me chamava de feia, perna torta, bocão.
Mas com o tempo aprendi a me amar e hoje não tenho mais problema com isso, graças a Deus. Ver meu diário de adolescência é um horror e eu diria pra eu de 14 anos: AMIGA, VOCÊ ARRASA!”

4. “Ouvia comentários extremamente maldosos e acreditava neles”.

"Ouvia comentários extremamente maldosos e acreditava neles".
Frimages / Getty Images
“Passei por muitos problemas durante a infância e adolescência que fizeram com que eu parasse de acreditar em mim e qualquer pessoa a minha volta. Junto dessa tristeza que já me acompanhava, ouvia comentários extremamente maldosos e desnecessários na escola sobre minha imagem e rapidamente passei a acreditar nas besteiras que ouvia.
No ano passado passei a me abrir mais a certos movimentos, principalmente o feminista, que além da igualdade de gênero “prega” muito a questão da auto aceitação, e a cada dia que passava eu notava que os meus detalhes “diferentes” me faziam única. Hoje eu me olho no espelho e me sinto linda!
O mais incrível disso é que você passa a ser mais… leve. Antes, além de me julgar muito, eu julgava muito os outros pra me sentir menos mal comigo mesma e isso é extremamente destrutivo e triste. Hoje percebo beleza em todos e a vida anda bem melhor assim”.

5. “Me sinto na obrigação de corresponder aos padrões”.

"Me sinto na obrigação de corresponder aos padrões".
Irmun / Getty Images
“Quando eu era criança sofri muito bulliyng na escola por ser considerada feia. Aprendi a desenvolver minha personalidade com o tempo mas a sensação de se sentir feia é horrível, ainda me sinto na obrigação de emagrecer. Mas precisamos nos unir e aceitar nossa beleza. Dar exemplos bons umas para as outras”.

6. “Não sabia que ansiedade social era uma doença”.

“Eu sofria de ansiedade social tão forte que tinha vergonha de mudar coisas simples, como corte de cabelo e roupas. Achava que isso era algo que só eu sentia. Vivi com isso dos 10 anos aos 17 sem saber que era uma doença. Tive várias crises de ansiedade durante esse período e não fazia ideia do que era”.

7. “Eu falava para mim mesma que era feia e ridícula”.

"Eu falava para mim mesma que era feia e ridícula".
Mrljanica / Getty Images
“Quando mais nova eu me sentia horrível. Me sentia uma pessoa desprezível mesmo. Me olhava todos os dias no espelho e chorava falando pra mim mesma o quanto eu era ridícula, feia e me odiava. Hoje em dia tenho momentos de fraqueza e quando me deixo abater e me coloco para baixo, mas penso “se eu não me amar, quem vai?”. Se eu não aceitar quem eu sou, a minha própria essência fica ferida.
Tive uma evolução enorme e comecei a me sentir bem comigo mesma quando comecei a conhecer mais sobre os ideais do feminismo. O movimento me ajudou a amar quem eu sou, independente de como eu sou. Como diz RuPaul: ‘Se você não amar a si mesma, como raios vai amar outra pessoa?’”

8. “Minha timidez era tão extrema que não conseguia conversar com ninguém”.

"Minha timidez era tão extrema que não conseguia conversar com ninguém".
Kevinhillillustration / Getty Images
“Eu já tive sérios problemas de timidez, em um nível que eu não tinha coragem de falar com ninguém que não fosse da minha família, mesmo que a pessoa me dirigisse a palavra. Até na hora de sair com amigos eu tinha medo e vergonha. Hoje estou bem mais seguro com relação às pessoas, mas lamento ver que poderia ter feito mais amigos na vida se não fosse esse problema”.

9. “Não conseguia reconhecer nenhuma vitória pessoal, não importa o quanto estudasse ou progredisse no trabalho”.

"Não conseguia reconhecer nenhuma vitória pessoal, não importa o quanto estudasse ou progredisse no trabalho".
Frimages / Getty Images
“Eu já tive muitos relacionamentos abusivos. Alguns caras diziam que eu não era bonita o suficiente, boa o suficiente. E eu não me achava capaz de encontrar caras melhores. Com as críticas, cheguei a cobrir os espelhos da minha casa. Hoje vivo uma luta diária para me adaptar ao meu corpo, para me reconhecer como a mulher “bem sucedida” que sou. É matar um leão por dia”.

10. “Achava que os outros me aceitavam por caridade”.

"Achava que os outros me aceitavam por caridade".
Olarty / Getty Images
“Eu achava que não era interessante o bastante para andar com algumas pessoas. Que elas faziam um esforço para me aceitar por caridade. 
Eu me sentia culpada por não me encaixar, por não concordar com algumas atitudes delas, e me sentia sozinha porque não via como consertar isso. Mas acabei me afastando delas (ou elas de mim), e isso foi muito bom. Muito bom mesmo”.

11. “Quando ouço alguém rindo, imagino que seja de mim”.

"Quando ouço alguém rindo, imagino que seja de mim".
Olarty / Getty Images
“Desde criança eu sempre me senti inferior aos demais. Me sinto mal quando as pessoas riem perto de mim, porque imagino que eu seja o motivo da chacota. É difícil falar disso com os outros porque já ouvi de ex-namorados que eu apenas gosto de me fazer de vítima – mas olha, se eu tivesse escolha, jamais iria querer me sentir assim, e não quero que mais ninguém se sinta.
Isso me encheu minha vida de frustrações, tanto na faculdade como nos relacionamentos. Hoje, aos 26, faço terapia cognitivo-comportamental pra tentar contornar esses sentimentos”.

12. “Acho que as pessoas estão brincando quando me elogiam”.

“Até hoje às vezes me pego rindo quando alguém me elogia e fala que eu sou bonita ou inteligente. Não por estar feliz com o elogio, mas sim por entender como uma brincadeira, ou como um esforço da pessoa em me agradar. Racionalmente sei que não é assim e, ao escrever, essas coisas me parecem ainda mais ridículas”.

13. “Se alguém não responde minha mensagem, tenho vontade de comer meus dedos”.

“Não consigo mandar uma mensagem para alguém sem pensar que essa pessoa me odeia, me acha ridícula, que eu encho o saco. E se a pessoa não me responde então, tenho vontade de comer meus dedos. E foi assim que me transformei numa pessoa isolada socialmente, o que é aprofundado pelo fato de trabalhar em home office – mas isso não é uma reclamação, porque eu gosto de trabalhar assim”.

14. “Sentia que não me encaixava por ser feio”.

"Sentia que não me encaixava por ser feio".
Kevinhillillustration / Getty Images
“Quando era adolescente tive muitos problemas de autoestima. Sempre era excluído das rodas de amigos, as garotas não me cumprimentavam com um beijo no rosto como faziam com os outros meninos e eu era motivo de piada por parte da ala masculina sempre. Sentia que não me encaixava porque eu era “feio”.
O tempo foi passando, fui crescendo, conheci gente que não me julgava por questões de aparência, que me elogiavam, fui aceitando essa ideia é percebendo que eu não era tão feio assim. Hoje, aceito minha aparência da forma que é, mas principalmente sei que sou uma pessoa que possui uma beleza que vai além da estética. Amor próprio, minha gente, acima de tudo!”

15. “Gosto de quem eu sou, mas às vezes duvido de mim mesma”.

"Gosto de quem eu sou, mas às vezes duvido de mim mesma".
Irmun / Getty Images
“Às vezes eu me sinto incrível, penso em tudo que eu tenho, que sou e que conquistei, mas logo em seguida penso que não sou merecedora dessas coisas por alguma razão, e eu não sei explicar isso direito. Hoje estou sozinha e penso que é por que estou acima do peso ou porque sou insuportável e nunca ninguém vai me aguentar. Isso tudo ao mesmo tempo que me acho interessante e batalhadora”.

16. “Travo uma batalha interna todos os dias”.

"Travo uma batalha interna todos os dias".
Cofeee / Getty Images
“Eu ainda tenho o hábito de me comparar com outras pessoas. No começo era com a beleza das outras meninas, mas depois comecei a me comparar intelectualmente. Houve momentos insuportáveis. Estou buscando tratamento e atividades que me agradam para que eu possa “me encontrar”. Recebo muito apoio dos meus familiares, namorado e amigos… Sem eles eu realmente não conseguiria “enxergar” minhas qualidades.
Todo dia a gente precisa buscar uma maneira de resistir, de driblar esses sentimentos que nos consomem a gente. Eu sei que vou ficar bem algum dia, porque sempre travo uma batalha interna contra isso”.
_______________________
FATOR 
QUÂNTICO

Várias pessoas chegam até o Fator Quântico todos os dias com problemas de autoestima e tudo que pode se derivar disso. Conheça a 
RTS, veja os depoimentos e saiba que é possível se sentir melhor também com método alternativo.
Mais informações »

10 histórias sobre formas contemporâneas de escravidão

Cartões de crédito



João L. ganha o equivalente a cerca de 500 dólares por mês, mas tem alguns cartões de crédito que, juntos, acumulam 2 mil dólares em dívidas. Só de anuidade, João paga mensalmente 15% do seu salário, ou seja, 75 dólares.

Pagar gradualmente a fatura e deixar de pagar os juros da dívida não é uma possibilidade para João. Em primeiro lugar, ele é prisioneiro de algo chamado ’pagamento mínimo’: caso não o realize ao menos uma vez, então deverá viver apenas com metade do seu salário durante um ano (ou mais) e João simplesmente não pode permitir isso.

Por outro lado, o mundo no qual vive João é cheio de tentações. É tanta coisa que se pode comprar que ele não vê outra saída senão continuar deixando que os bancos ’engordem’ às suas custas. .

Um dado curioso: faz tempo que João sonha em abrir seu próprio negócio mesmo se a rentabilidade anual for de 30% ou menos. Mas para fazer isso, ele precisaria antes quitar a dívida. E, bem, ele não consegue pagar o que deve porque o sistema não o permite.

Automóveis



Carlos G. adora automóveis. Antes, ele usava transporte público, mas economizou para comprar um carro usado. No entanto, não se sentia bem com o automóvel e logo depois comprou um esportivo zero quilômetro financiado. Ele anda sem dinheiro e, às vezes, precisa cortar gastos importantes, como férias ou despesas médicas, mas Carlos não pode imaginar sua vida sem o seu carro.

Ele precisa pagar mensalmente o financiamento que fez para comprar seu automóvel novo, além dos custos com os acessórios vendidos pela concessionária e com o seguro, que é absurdamente caro. Precisa ainda lidar com vários pequenos problemas com estacionamento, arranhões na pintura, troca de óleo e pequenos reparos. Sem contar que enche o tanque de combustível 3 vezes por semana. 

Carlos não reclama muito, pois crê que cada centavo investido em seu carrinho vale muito a pena. Acontece que, se ele calculasse quanto custa manter o seu tesouro, se daria conta de que seu amigo de quatro rodas consome um terço de seu salário e metade do seu tempo livre.

Carlos poderia ter comprado um carro usado em bom estado, ou mesmo um novo em versão econômica, para viver tranquilamente e não precisar pagar o seguro do financiamento (além do financiamento em si). Além disso, sairia muito mais barato fazer reparos caso aparecesse um arranhão ou um pouco de ferrugem, e não seria tão caro comprar peças de reposição. Sem falar que ele poderia ficar tranquilo por parar o carro praticamente em qualquer lugar sem medo de ter peças roubadas, e consertá-lo em qualquer oficina de bairro sem pagar muito nem precisar agendar atendimento.

Sim, ele poderia ter feito isso, mas se você disser a Carlos que ele tem um automóvel que não é compatível com sua renda, é capaz que ele lhe mande catar coquinhos. Ou então, pode ser que ele apenas levante as sobrancelhas, resmungue e faça uma cara de: ’você está louco’.

Pequenos gastos

Ivan H. trabalha como encanador em domicílio ganha o equivalente a 30 dólares aqui, 60 dólares ali e 15 dólares acolá. No fim das contas, isso deveria render um salário mensal bastante considerável, mas Ivan anda sempre com pouco dinheiro, apenas uns trocados no bolso e nada mais.

Por quê?

Porque Ivan gasta como ganha: sem contar. 15 dólares num táxi para casa, 30 para almoçar num restaurante. Como ele diz, ’trabalha, trabalha, mas não vê a cor do dinheiro’.

Se Ivan tivesse um pequeno caderno para anotar quanto recebe e quanto gasta, ficaria surpreso e à beira de um desmaio, pois perceberia que fazer refeições em restaurantes todos os dias não custa apenas 30 dolarezinhos por dia, e sim, um pouco menos que 8 mil dólares por ano (considerando que ele almoce em casa nos fins de semana). Além disso, Ivan veria que andar de táxi é cômodo e prático, mas se usasse ônibus e metrô durante dois meses, teria dinheiro para comprar o computador novo com que vem sonhando há tempos, e ainda sobraria dinheiro para roupa nova. Mas, como todo escravo do sistema, Ivan não consegue controlar seu dinheiro.

Casamentos e aniversários


Lúcia P. está para se casar. Ela trabalha como assistente de contabilidade e seu noivo é técnico junior em manutenção. O orçamento da nova família gira em torno do equivalente a 800 dólares por mês.

O casamento vai custar 9 mil dólares.

Não seria melhor que Lúcia e seu noivo fossem tranquilamente a um cartório, se casassem e celebrassem a união em algum restaurante bonito e romântico? Para que você precisa de um mestre de cerimônias, uma orquestra ao vivo, uma multidão de bêbados e colegas de trabalho que nem sabiam que ela existia?

Para que se afundar em dívidas, arruinar os próprios pais e alimentar pessoas que, sejamos sinceros, podem comer por conta própria? Lúcia não é boba e sabe que, se não celebrasse seu casamento, ninguém lhe daria a menor importância, dariam de ombros e esqueceriam no dia seguinte.

Os motivos de Lúcia para torrar o orçamento anual de sua nova família são dois: primeiro, é o que manda o sistema de tradições e costumes; segundo, Lúcia quer exibir a todos seu vestido branco e acha que o equivalente a um ano de trabalho de duas pessoas é um preço justo para aproveitar durante algumas horas e tirar algumas fotos para guardar de lembrança.

É claro que os defensores da ingênua garota poderiam dizer que o casamento é algo que só acontece uma vez na vida, mas no fim das contas há também aniversários, velórios, festas de Ano Novo, etc. Quanto dinheiro Lúcia irá gastar todos os anos com essas celebrações?

Álcool


Fernando M. se olha no espelho com frequência e pensa que já é hora de entrar numa academia, perder a barriguinha de cerveja e tonificar os músculos fazendo um pouco de exercício físico. Por outro lado, ele trabalha cinco dias por semana e, depois do trabalho, sempre toma alguns copos de cerveja.

Não que ele seja alcoólatra. Fernando acha que o álcool, em pequenas doses, se não faz um grande bem para a saúde, pelo menos não causa nada de ruim. 

Assim, o trabalho e o álcool ocupam seus dias de tal maneira que não tem tempo de se inscrever na academia, e nem lhe restam forças para fazer algo além de tomar uma cervejinha depois do trabalho.

Não há nenhuma razão convincente para fazer com que Fernando mude de vida. A única, claro, é o fato de ele se sentir 15 anos mais velho do que é e de se sentir mal o tempo todo. Mas, de maneira geral, está tudo ok. O sistema prendeu Fernando com uma luva de aço, e as possibilidades que ele tem de se soltar são, digamos, muito pequenas.

Publicidade

Helena F. bebe Coca-Cola, fuma Marlboro, masca gomas Trident e adora os hambúrgueres do McDonald’s. Ela está sempre usando o último perfume da Dolce & Gabbana, e carrega seu iPhone dentro de sua bolsa Louis Vuitton.

Helena acha — ou melhor — tem a certeza de que a publicidade não causa nela nenhum efeito. Seus quilos a mais e dinheiro a menos são coisas que ela escolheu. 

As garras predadoras da televisão apoiam a ingênua Helena: "Você, querida, é uma mulher livre, inteligente, independente e bonita, sempre toma suas próprias decisões e ninguém pode lhe dizer a quem de nós você irá trazer obedientemente o seu salário. Como você é livre!"

Objetos caros

Jorge R. não é rico o suficiente para comprar coisas baratas. Na verdade, de rico ele não tem nada. Jorge é um ’liso’, que frequentemente não tem dinheiro nem para comprar um café na máquina presente em seu escritório.

Mesmo assim, não sabe como dizer a si mesmo: ’esqueça, é muito caro e você não pode pagar’. Por isso, ele está sempre comprando coisas que o fazem parecer mais endinheirado do que é na realidade. Um casaco de couro que custa dois meses do seu salário? Bem, Jorge não é tão rico para comprar coisas baratas, e não importa que ele não faça ideia do que lhe cai bem e o que não. Por isso, ele compra o casaco, e quando o usa, sente-se como um girino dentro de uma meia. 

"O último lançamento da informática em forma de um computador que custa 1.500 dólares? Claro! Eu não sou tão rico para comprar coisas baratas: faço um empréstimo com juros exorbitantes, comerei arroz com ovo durante dois meses e andarei pendurando no ônibus lotado, mas terei meu laptop prateado em casa para que fique acumulando poeira e que eu possa entrar no Facebook", diz Jorge. 

Nós poderíamos perguntar: por que ele não baixa um pouco o nível de exigência consigo mesmo e compra coisas que são igualmente úteis, mas que custam 10 vezes menos?

A resposta é muito simples: Jorge tem preguiça de passar algumas horas comparando preços e características, vantagens e desvantagens daquilo que planeja comprar. Para ele, é mais fácil agir como um galã de novela e dizer ’Eu decidi e vou comprar’. Além disso, se não levarmos em consideração que ele usa sapatos furados e óculos colados com fita adesiva, mas também um casaco de mil dólares, ele não tem a menor condição de chamar alguém de ’liso’.

Reformas

Claudia S. acha que os imóveis em seu país são muito caros, e só ela sabe quanto esforço foi necessário para que ela e sua família conseguissem comprar seu novo apartamento. Agora, Claudia está fazendo reformas.

Vamos usar a cozinha como exemplo:

É possível ir até uma loja de construção e comprar a cozinha mais econômica por, digamos, 400 dólares. Por este valor, Claudia compraria gabinetes simples feitos de aglomerado, sem grandes toques de design, mas que servem para guardar panelas e frigideiras.

Ela pode ir a outra loja, mais famosa, e escolher algo um pouco melhor se estiver disposta a pagar cerca de mil dólares. A qualidade, claro, não é nada de outro mundo, mas se contratar um bom marceneiro que faça um ajuste aqui e outro ali, terá armários decentes, talvez até bonitinhos.

Ela pode ainda visitar alguma fábrica de móveis e escolher uma cozinha sob encomenda. Isso custaria uns 4 mil dólares, mas suas amigas, isso sim, usariam suas línguas de serpente para elogiar a iluminação interior e os acabamentos.

Poderia também ir a uma loja de móveis italianos e sucumbir ao discreto encanto da burguesia. Os preços partem de 15 mil dólares, ou se tiver sorte, é possível encontrar algo da coleção anterior com um desconto considerável. 

Nós poderíamos perguntar: por que diabos, tendo tantas opções, Claudia decidiu comprar uma cozinha de 10 mil dólares? Este valor é quanto o marido dela ganha em um ano (sim, um ano inteiro!). Além disso, sua família não consegue economizar e ela precisou fazer um empréstimo para tentar acabar a reforma antes do fim do ano. 

Tudo bem, eu entendo que uma cozinha bonita é importante, já que é usada muito e por muito tempo. Entendo também que, se é italiana, é de qualidade, mas se Claudia não pode aumentar ao menos um pouco o preço do seu apartamento com semelhante melhora, poderia pelo menos pagá-la tranquilamente? É sério, se Claudia tivesse gasto 3.500 dólares em vez de 35 mil, não estaria mais tranquila, cozinhando e vivendo em um lugar digno, porém mais simples?

As reclamações

Ernesto P. sempre conta aos seus conhecidos uma história mais incrível que a outra: sobre crise econômica, algum político ou sobre protestos populares. Ernesto está sempre discordando. Para ele, sempre há alguém que não tem razão, seja seu chefe, o policial de trânsito ou os políticos. 

É claro que vivemos em um país livre, e Ernesto tem todo o direito de irritar os seus amigos e encher a paciência dos outros com suas palavras, mas há um pequeno problema: o pobre Ernesto sempre anda sofrendo por problemas alheios, e é justamente esse costume de meter-se na vida dos outros que faz com que ele tenha essa sensação de impotência, pelo fato de saber que em algum lugar há algo de errado e ele não pode fazer nada a respeito.

Se alguém explicasse para ele que o mundo é um lugar injusto, e que a única maneira de melhorá-lo é começar por si mesmo, certamente o pobre Ernesto já ocuparia algum cargo de direção em sua empresa, pois ele é do tipo inteligente e cheio de energia.

Mas Ernesto, infelizmente, prefere gastar sua energia não criando nem desenvolvendo algo novo, mas julgando e condenando (ao menos mentalmente) aqueles que, segundo ele, não têm razão.

A família de Ernesto sabe que ele é uma pessoa muito capaz: capaz de fazer escândalos e ser cabeça dura, e até de brigar usando a força física, se for necessário. Os amigos olham para ele com tanta pena que já nem conseguem esconder, por ele ter essa ’habilidade’ de fazer uma tempestade num copo d’água, brigar e até mesmo ter problemas com a lei por coisas realmente ridículas.

A falta de sono

Ana C. dorme 5 horas por dia, às vezes até 4. A primeira coisa que ela faz ao abrir os olhos é tomar uma xícara de café. Depois, é hora de mergulhar na agitação até altas horas da noite!

Outra garota em seu lugar já teria dado conta há muito tempo de que algo não está, digamos, tão bem quanto deveria. Mas há anos Ana não dorme o suficiente, e há muito tempo ela sequer pensa no assunto. Quando tem algum tempo livre, toma outra xícara de café (ou alguma outra bebida energética) e fica passando o tempo: vê televisão, navega na Internet ou simplesmente fica encarando as paredes e pensando bobagens.

Aparentemente, sair do círculo vicioso é tão simples quanto entrar embaixo das cobertas à meia-noite e dormir o suficiente durante duas semanas (no mínimo). Se fizesse isso, Ana ficaria irreconhecível: se tranquilizaria, ficaria mais amável e deixaria de ser rude com as pessoas. Isso sem falar na melhora em seu rendimento no trabalho.

Maaaaas, para poder fazer isso, seria preciso ter um pouco de força de vontade e acabar de fazer tudo o que há para ser feito antes das onze da noite. A pobre (e sonolenta) Ana não é capaz de fazer algo assim.

Ela, que como sempre não dormiu o suficiente, irá desperdiçar algumas horas do seu dia em algo inútil, e por haver perdido tempo; não conseguirá ir para a cama antes das duas horas da manhã, tendo de acordar, como sempre, às 7h15, tomar seu café e correr para o trabalho. Dedicar um tempo para analisar a própria vida, tomar decisões que irão influenciar em seu futuro ou pensar em algo que lhe permita ter mais estabilidade econômica, então, nem pensar. Estes são apenas sonhos, e para sonhar é preciso dormir.

Mais informações »
© 2013 Fator Quântico. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9